Talão de Compras 

Hoje, o Governo (e o maior partido da oposição, para referência futura), se calhar a propósito do campeonato do Benfica ou da visita papal, resolveu brindar-nos com um (novo) aumento do IVA. Ainda durante a madrugada, já não faltavam meios de comunicação com contas e mais contas, incluindo o maior índice da nossa economia, o preço da bica.

Para saber o que, efectivamente, nos está a ser pedido, peguei num (na realidade, dois) talão de supermercado normalíssimo e fiz umas contas. Para começar, vamos partir do pressuposto que isto é uma compra padrão – que é – e que a faço duas vezes por mês. Na realidade, e só para que saibam, faço efectivamente duas vezes por mês, e, embora os produtos constantes duma e doutra sejam diferentes, a matriz de produtos nas várias categorias de IVA será sensivelmente a mesma. Infelizmente, o outro talão já seguiu ao encontro do seu destino final…

O primeiro passo é separar os produtos pelas categorias de IVA, o que vem a dar 45,59€ a 5%, 23,12€ a 12% e 21,38€ a 20%. De seguida, vamos retirar o IVA dos produtos. Vamos só relembrar como isto se faz:

calculoRevIVA

Como tal, temos os valores 43,42€, 20,65€ e 17,82€, referentes aos produtos com os IVA 5%, 12% e 20%, respectivamente. Acrescentando os novos IVA, ficamos com 46,03€, 23,34€, e 21,57€, referentes aos produtos com os novos IVA de 6%, 13% e 21%, respectivamente. De salientar que todos os arredondamentos foram de merceeiro, isto é, para o cêntimo superior.

Para finalizar, e como já tinha dito que ia às compras duas vezes por mês, podemos colocar as coisas em perspectiva: quando até agora gastava 180,18€, daqui para a frente gastarei 181,88€, ou seja, 1,70€.

Ah, e tal, isso é demagógico, porque também vai cortar nos salários líquidos. Certo, certo. Vamos então pegar num salário familiar padrão e continuar as contas?

Vamos imaginar um casal normalíssimo, com rendimentos brutos de 1700€. Ambos pagam 11% de Segurança Social, como toda a gente. Como têm um filho, pagam apenas 5% de IRS. Depois de tudo isto, ficamos com um salário líquido de 1428€. Vamos jogar para cima deste valor um subsídio de alimentação (que está isento de impostos) de 172€ e vemos que este casal leva para casa 1600€. Com a sobretaxa de 1%, ficam mais 17€ retidos, o que vem a dar 1583€.

Basicamente, e para finalizar, o Governo está a pedir a uma família perfeitamente normal que poupe menos de 20€ por mês, durante um ano e meio – até ver – para ultrapassar a crise… Eu olho para a taxa de desemprego aqui dos nuestros hermanos (20%), para os cortes salariais1 e aumentos de impostos que eles implementaram, e pergunto ao meu Governo: o cheque é à ordem de quem?

1 Por acaso, não me chocava nem um bocadinho um corte de mais 1% ou 2% nos salários da função pública acima das duas vezes do salário mínimo. Sobretudo depois do disparate que foi (mais uma) tolerância de ponto dada hoje; mas sobre isso colocarei uma posta noutro dia…

Partilhar no Sapo Links Partilhar no del.icio.us Partilhar no Digg Partilhar no Twitter Partilhar no StumbleUpon Partilhar no MySpace Partilhar no Facebook

Comentários Deixar um comentário

 Categorias
 Arquivo
 Projectos em Destaque
 Últimas Postas no Blog
 Últimos Comentários do Blog