A ver posts de Agosto de 2010

Espancá-los com um gato morto até este miar!

Conjunto de fotografias tiradas duma janela do meu apartamento há cerca de uma hora. Eu até já estava a estranhar, meio de Agosto e nem um incêndiozinho decente nas encostas do Marão. Uma ou outra fogueirita para os lados do Alvão, uma coisinha de nada no fim-de-semana lá para o Monte da Forca, e pouco mais.

O ar já estava pesado há que tempos, devido ao grande incêndio em S. Pedro do Sul e outros menores aqui à volta. Agora que esse e o do Gerês já estão mais ou menos controlados – que é uma maneira simpática de dizer que já ardeu tudo o que tinha que arder – eis que esses grandessíssimos filhos daquelas senhoras da rua, que deviam ir para onde o Queiroz mandou o outro, se viram para o Marão.

Porque, não me lixem, isto não é de “causas naturais”!

Quase desde o início do DreamsInCode que tenho tido uma luta com a tipografia do mesmo. Convém lembrar que eu sou mais programador do que designer, e que demoro eternidades até ficar satisfeito com cores, fontes, tamanhos, ícones…

A regra número um para fontes de leitura em monitores de computador é usar fontes sem serifas. As opções para a web ainda são algumas, como as mais clássicas Verdana (em uso neste momento) e Arial, assim como algumas mais específicas, como Tahoma (em uso anteriormente) ou Trebuchet MS. Estas três fontes comportam-se da seguinte maneira:

Como já disse aqui, tenho um servidor Gentoo Linux numa máquina virtual. Era uma instalação bastante simples, apenas o essencial a um servidor web privado, isto é, sem interface gráfica.

Mas, na sequência de ter arranjado um Mac baratucho (se é que alguma coisa da Apple possa ser chamada de baratucha – pronto, baratucho por standards Apple), comecei a sentir a falta da GUI também no Linux, quanto mais não fosse para me ser mais familiar nalguns projectos dos próximos tempos.

 Categorias
 Arquivo
 Projectos em Destaque
 Últimas Postas no Blog
 Últimos Comentários do Blog