Pixels Camp 2017

Uma das maiores inovações foi, portanto, uma cripto moeda baseada na rede Ethereum chamada Exposure. O nome em si é uma piada baseada neste comic do fenomenal The Oatmeal, e acaba por ser um bocado meta, visto que exposure é basicamente o que se ganha na hackathon do Pixels Camp.

Basear o resultado de uma hackathon num sistema de mercado – ainda para mais usando blockchain – deve ser das ideias mais loucas da história das hackathons. Tinha todo o potencial para ser espectacular, como acabou por ser, como um desastre: bastava que a comunidade simplesmente não aderisse ao conceito.

As cripto moedas ainda têm um longo caminho a percorrer em termos de usabilidade. Criar uma carteira virtual, guardar uma chave privada ou uma frase mnemónica que é preciso usar a cada transacção, inserir longos identificadores alfanuméricos para onde queremos fazer as transacções – uff, que trabalheira.

De qualquer forma, correu optimamente. A malta criou carteiras, andou à caça dos badges para obter mais EXP, investiu nos projectos, e até comprou e vendeu serviços. A Rosana ainda fez umas lecas a vender designs e tatuagens (yep, tatuagens), e houve pelo menos dois projectos cujo conceito era precisamente a venda de serviços usando os smart contracts da blockchainBoothchain, uma cabine fotográfica com impressão térmica, e If Pay Then Play, do inefável Luís Correia e demais Lobsters, uma máquina de arcade. Estes projectos tinham a particularidade de se auto-financiarem: aquilo que as pessoas pagavam – e ainda pagaram algumas – era directamente investido no projecto.

A nossa equipa pensou no mesmo, mas ao invés de fazermos disso o nosso projecto principal (já estávamos mais ou menos decididos pelo que veio a ser o mysmart), seria um meio de financiamento. Brincámos com o conceito de um smart contract emulando uma roleta de casino durante a tarde de quinta-feira, mas depois acabámos por nos focar apenas no projecto.

O único problema que detectei em todo o conceito, e que nem sequer está relacionado com o facto da moeda ser baseada em blockchain, é que não há qualquer incentivo para investir noutros projectos que não o nosso. Inclusivamente, fiz notar isso mesmo ao Celso durante a apresentação mais aprofundada que fez do conceito.

Pode alegar-se que há sempre gente que não participa em projectos, e há, embora o foco na hackathon seja tão grande que nem deveria contar. Há, na realidade, um microincentivo, que é o facto do investidor que obtiver maior retorno ganhar um prémio, mas a proporção da distribuição é tão desbalanceada, que esse investidor vai acabar por ser um membro do projecto que efectivamente ganhou a competição.

Poderia haver incentivos maiores; por exemplo, as carteiras e o seu valor depois da redistribuição podiam transferir-se para eventos subsequentes, embora isso levantasse novas classes de problemas: qualquer membro dos primeiros três ou quatro projectos ficariam automaticamente a ser super-investidores, o que levaria a que os projectos deles ganhassem novamente no ano a seguir, independentemente do mérito. As soluções para isto seriam cada vez mais complexas e confusas (um membro não podia investir no seu próprio projecto, tendo que existir uma CMVM específica para o evento).

Basicamente, temos aqui uma situação em que não gosto nada de me encontrar: identifiquei um problema para o qual não tenho solução (ou as que tenho são foleiras).

O capitalismo é complicado.

Partilhar no Sapo Links Partilhar no del.icio.us Partilhar no Digg Partilhar no Twitter Partilhar no StumbleUpon Partilhar no MySpace Partilhar no Facebook

Comentários Deixar um comentário

 Categorias
 Arquivo
 Projectos em Destaque
 Últimas Postas no Blog
 Últimos Comentários do Blog