Pixels Camp Into

Aconteceu novamente a peregrinação anual(-ish) de geeks a Lisboa. Como é habitual, foi “o melhor Pixels Camp de sempre”. Como é habitual, há ainda tanta margem para crescer e melhorar.

Preparação

Quando chegámos a meio de 2018, as hostes começaram a ficar nervosas com a falta de notícias. Afinal, o último Pixels Camp tinha sido em Outubro de 2017, e ainda não se notavam as habituais movimentações.

Em Junho, Celso Martinho traz-nos novidades: a data seria empurrada para Abril ou Março de 2019, com intenções de aí continuar.

Eu empurrei com a (minha muy proeminente) barriga a preparação de uma ou outra talk. Entretanto, com um mês de antecedência, começa a qualificação para o Amazing Quizshow, e entre o isso e o meu trabalho diurno, acabei mesmo por não ter tempo para mais nada.

A qualificação foi desafiante/frustrante/hilariante como sempre, e o Quizmaster Carlos Rodrigues prova este ano que não teve apenas sorte de principiante no ano passado - o novo Quizmaster é mesmo, e pelo menos, tão bom como o velho Carlos Morgado.

O Carlos fez um apanhado da qualificação, e o Fernando Mendes detalhou com muito humor a solução da caça ao tesouro do terceiro qualificador.

Viagem

Há duas coisas que me são lembradas de cada vez que tenho de ir a Lisboa, sobretudo de transportes públicos:

  1. Adoro viajar de comboio – pelo menos, adoro viajar com o pandeiro devidamente acomodado no Alfa;
  2. Ia detestar viver e trabalhar em Lisboa.

Viajar no Alfa – em vez de ir de carro, por exemplo – tem uma enorme vantagem: permite ir a trabalhar no caminho. Sobretudo se se conseguir marcar lugar nas mesas e junto a uma ficha eléctrica (para quem tem portáteis gulosos, como o meu). O wireless da CP é que, pronto, coise. É uma miséria, não há outra maneira de o dizer. Mas nada que um router 4G e alguma paciência não resolvam.

Claro que, em chegando ao Oriente, dá-me logo vontade de voltar ao aconchego do Alfa.

Eu consigo ir a Lisboa tão poucas vezes, e acontecer-me sempre alguma. Desta vez, a linha vermelha do Metro interrompida. Imensa gente a acotovelar-se nas catacumbas do Oriente.

Volto para cima, decidido a chamar um Uber, mas a distância até ao Pavilhão Carlos Lopes e o pico de procura tinham atirado os preços para níveis absurdos.

Volto para baixo e aguardo pacientemente. As cancelas abrem, e aquilo parece tudo menos uma sociedade evoluída. Em chegando lá abaixo, tenho que deixar passar umas três ou quatro composições, simplesmente porque a cena das cotoveladas e dos empurrões não é a minha praia.

Uma mudança de linha de metro e uma subida de 20 metros colocam-me, finalmente, estafado e a bufar, à porta do Carlos Lopes, onde o Carlos Martins and company já me esperavam com uma mesa para poisar o portátil e uma cadeira para poisar o coiro.

Pavilhão Carlos Lopes

Up next: Hackathon

Partilhar no Sapo Links Partilhar no del.icio.us Partilhar no Digg Partilhar no Twitter Partilhar no StumbleUpon Partilhar no MySpace Partilhar no Facebook

Comentários Deixar um comentário

 Categorias
 Arquivo
 Projectos em Destaque
 Últimas Postas no Blog
 Últimos Comentários do Blog