Pixels Camp Intro

Aconteceu novamente a peregrinação anual(-ish) de geeks a Lisboa. Como é habitual, foi “o melhor Pixels Camp de sempre”. Como é habitual, há ainda tanta margem para crescer e melhorar.

Topos

Pessoas

Sempre as pessoas. Pessoas de todas as formas e feitios. O melhor disto são sempre as pessoas. Normais, esquisitas e outras. Com conhecimentos específicos ou jacks-of-all-trades. Software developers ou makers. Engenheiros ou artistas. Tantas. Pessoas. Interessantes.

O regresso dos tacos

Digam o que disserem das bifanas ou das almôndegas, se são nucleares, são tacos. E se são tacos nucleares, são feitos segundo as especificações do Pedro Couto e Santos. E, oh céus, como foram.

A afirmação do novo Quizmaster

Havia sempre a dúvida se o Carlos Rodrigues tinha tido sorte de principiante na última edição (apesar duma celsada), ou se era mesmo digno do manto.

Yep, confirma-se: é mais que digno do manto.

Patrocinadores

Sejamos realistas: isto não se fazia sem os patrocinadores. Pelo menos, não desta forma. As várias empresas do grupo Sonae, a Microsoft, a Cisco, a Talkdesk, a Siemens, a Feedzai, a Beta-i, a Taikai, a UTRUST, até a muito séria e engravatada SIBS, e a ainda mais séria e engravatada Fundação Gulbenkian, e mais uns poucos que é uma injustiça estar aqui a esquecer-me.

E, claro, a Bright Pixel, que organiza esta coisa toda e consegue convencer estes patrocinadores todos.

E os patrocinadores começam a acreditar no evento a sério, e isso nota-se – de todos os sítios onde se podia notar – nos prémios. Com muita ginástica financeira por parte de organização, concerteza, mas o nível dos prémios subiu muitos furos desde a última edição.

Não é que alguém participe pelos prémios – é mais pelos bragging rights e pela eventual oportunidade de negócio – mas é bom notar que há um esforço nesse sentido. E isso só é possível graças aos patrocinadores.

TAIKAI

A TAIKAI tinha, provavelmente, muito a provar no Pixels Camp. Funcionaria, ou ia dar o berro a meio? A utilidade seria confirmada? Haveria adesão?

Funcionou. Foi útil. O pessoal aderiu.

É capaz de ter sido o sistema de voto mais simples desde as palmas do Codebits VII, mas muito mais transparente e verificável. Tinha – e tem – os seus quirks, o que é normal numa plataforma novinha em folha, mas cumpriu o serviço com distinção.

É para seguir com atenção o que é que esta gente vai fazer a seguir.

Fundos

Networking

O wireless ser uma miséria, sobretudo no primeiro dia, é já um clássico Pixels Camp (como era no Codebits).

Mas este ano foi absolutamente miserável, e não se restringiu ao wireless. A própria rede cablada vacilou forte e feio durante os três dias, com largas horas sem acesso.

É muito difícil fazer uma boa participação numa hackathon assim, sobretudo se estás a trabalhar com IoT, que foi um dos pratos fortes desta edição.

O meu cérebro derrete um bocadinho ao pensar em ligar ~1000 pessoas (cada uma com pelo menos dois dispositivos) à internet da mesma localização, e por isso condoo-me com quem tem que planear este bicho. Mas se há ponto a resolver com urgência para a próxima edição, é este.

Comida... outra vez

Eu sei, clássico.

A comida é meio fatela. Os noodles já são meme por esta altura. Na última edição tivémos umas cenas engraçadas da Bagga, mas nem vê-las este ano.

Não há opções vegetarianas, o que nestes tempos começa a ser bastante problemático. Não para mim, note-se.

Wrap up

Não há como negar o sucesso do Pixels Camp, sobretudo tendo os sapatos do velho Codebits para preencher. Se achei a primeira edição tremida, no mínimo, a segunda já deu passos na direcção correcta, e esta continua a expandir e a melhorar, não obstante parecer-me terem existido alguns pequenos passos atrás.

O orçamento de certeza que não é infinito (pelo menos não é PT-infinito), pelo que haverá sempre concessões a fazer aqui ou ali, mas tudo somado, será dos melhores eventos tecnológicos do país. Sim, incluíndo a treta da WebSummit, que não é um evento tecnológico, mas sim uma central de compras e promoção política.

E há ainda tanta coisa de que eu não falei (Code in the Dark, Security CTF, Presentation Karaoke, Chasing Ghosts, eu sei lá), e que é sempre vários graus de espectacular.

Uma palavra para os voluntários, muitos não-geek, que aturam algumas das nossas idiossincrasias.

E a equipa da Bright Pixel que organiza isto tudo. Nem vou aqui nomear, porque seria uma injustiça das grandes esquecer-me de alguém, e de certeza que iria acontecer.

Até para o ano!

Partilhar no Sapo Links Partilhar no del.icio.us Partilhar no Digg Partilhar no Twitter Partilhar no StumbleUpon Partilhar no MySpace Partilhar no Facebook

Comentários Deixar um comentário

 Categorias
 Arquivo
 Projectos em Destaque
 Últimas Postas no Blog
 Últimos Comentários do Blog